Aula do dia 22/06 – Comunicação Popular e Economia da Cultura

Nas aulas do dia 22, entraram em cena, para dar aulas de Comunicação Popular e Economia, o Repper Fiell (ex-aluno do curso) e o Prof. Samuel Araujo (UFRJ), respectivamente.

No primeiro tempo de aula, o Repper Fiell, iniciou a aula falando sobre a sua experiência na comunicação popular, nos seus 15 anos de carreira no Hip-Hop, e atualmente como diretor da Rádio Comunitária do Morro Santa Marta, e a partir daí, iniciou vários debates com os alunos sobre a comunicação popular, dando como exemplos, a própria rádio em que ele é diretor e o jornal Visão da Favela Brasil, em que ele publica suas matérias.

Falou também, sobre a música (Funk e Hip-Hop), o audiovisual, as roupas, o jornal e o rádio, em seu contexto na comunicação popular e como cada um deles tem a sua importância nessa comunicação e como cada um desses pode influenciar, realizando sempre debates em cada um dos tópicos com os alunos.

Após o intervalo, o professor Samuel Araujo deu a aula de Economia da Cultura para os alunos, onde ele abriu a mesma se apresentando, e depois, pediu para que cada aluno se apresentasse também.

Depois, iniciou a aula falando sobre a relação entre a economia e a cultura, onde nesse caso, as políticas públicas perceberam que a cultura tinha o seu valor.

Debateu ainda com os alunos sobre a pluraridade das culturas, e a economia em torno delas. Falou também sobre as políticas públicas que tentam beneficiar o aumento do capital (das gravadoras, por exemplo) entre outros assuntos, sempre com os alunos expondo suas opiniões e iniciando novos debates.

Após isso, mostrou uma apresentação de slides, falando sobre as tendências de mercado de música na comunidade da Maré, mas antes, ainda falou sobre o mercado e a sua definição, e o mercado como sendo “um espaço socialmente construído para a cessão gratuita, troca e venda de mercadorias”.

Falou sobre as questões em que se dá esse mercado, dando como exemplo, o Canecão, onde a Sony Music fez uma proposta a UFRJ para a administração compartilhada do espaço.

E já finalizando a aula, falou mais sobre a sua pesquisa, e mostrou dados obtidos na mesma, que vem sendo realizada desde 2004.

Bom, esse foi mais um resumo das nossas aulas.

Até a semana que vem com mais um resumo!

Por Victor Baetas

Aula do dia 15/06 – Legislação e Atividade Cultural e Patrimônio Cultural

Para as aulas do dia 15, entraram em cena, os professores Luiz Moncau (FGV) e a professora Pâmella Passos, e eles falaram com os alunos sobre Legislação e Atividade Cultural e Patrimônio Cultural, respectivamente.

No primeiro tempo de aula, o prof. Luiz Moncau abriu a aula falando sobre o que é o direito autora (que é o fato de que seja assegurado o crédito ao autor de uma obra e assegurar remuneração pelo esforço do mesmo), e o que ele protege, entre eles: Texto, música, filme, fotografia, softwares e etc. Falou também sobre a diferença entre o direito autoral (Lei nº 9610/98), propriedade industrial, marcas e as patentes.

Depois, falou sobre as ideias que regem o sistema, onde, de um lado, está o acesso a obra, sem o pagamento dos direitos autorais, e do outro, a proteção dos mesmos, por parte das gravadoras e etc.

Falou também sobre o domínio público, que nada mais é do que a expiração dos direitos do autor sobre a sua obra, que é válido até 70 anos após a morte do mesmo.

Fez ainda um histórico de como eram os os meios de comunicação nos anos 90 e nos dias atuais. Falou ainda sobre as relações de consumidor-produtor, de cultura em geral e a colaboração criativa.

E o professor finalizou a aula falando sobre os Creative Commons, que são as licenças para a utilização da obra, dependendo para que fim a mesma será utilizada. O Creative Commons não é a ideia de controle absoluto da obra e nem a de nenhum controle sobre a mesma, mas sim a ideia de se ter apenas alguns direitos reservados.

Após o intervalo, a professora Pâmella Passos deu aula sobre o Patrimônio Cultural para os alunos, onde ela abriu a aula com um trecho do filme ” Narradores de Javé”, que conta a história de uma cidade que, para não ser inundada por conta de uma barragem que será construída lá, teria que de alguma forma ser tombada, patrimônio histórico.

Depois desse trecho do filme, fez uma breve introdução sobre o patrimônio cultural e fez um questionamento aos alunos com a seguinte pergunta “Quem pode contar a História e pra quem ela vale?”, dando início a uma série de debates com os alunos, entre eles, o fato de como a cultura pode vir a ajudar outros setores da população e de como a cultura pode ser ácida, a ponto de fazer críticas a esses setores do governo.

Falou também sobre o que é o Patrimônio imaterial e intangível, e suas especificidades, dando exemplos sobre esses patrimônios imateriais, que estão tombados e em processo.

E já finalizando a aula, falou sobre os processos de tombamento e o que é necessário para que se realize esse tombamento e ainda leu o poema de Bertold Brecht, “Perguntas de um operário”, para finalizar de vez a aula.

Bom, esse foi mais um resumo das aulas do nosso curso.

Até a próxima!

Por Victor Baetas

Aula do dia 08/06 – Projetos Socioculturais e Políticas Culturais

No dia 08/06, a professora Ana Luisa e o professor João Guerreiro, entraram em cena, para dar as aulas sobre Projetos Socioculturais e Políticas Culturais, respectivamente.

No primeiro tempo, a aula foi dedicada a falar sobre os Projetos Socioculturais, onde a professora Ana Luisa iniciou a aula falando sobre alguns exemplos de projetos socioculturais e falou sobre os objetivos que esses projetos devem ter.

Falou sobre 4 pontos que o projeto deve ter: Foco, Identidade, conteúdo e um ponto que é muito importante, o seu conhecimento. Além disso, falou sobre a excelência artística, que nada mais é do que o projeto tenha alguma expertise, que tenha um articulamento e etc.

Depois, falou sobre as questões territoriais, sejam elas no que diz respeito do seu projeto, ou seja, o espaço que você pretende aplicar o seu projeto.

Após a fala, a professora fez uma atividade com os alunos, onde eles tinham que se dividir em 3 grupos, e realizar a leiturade texto entregue pela própria professora e feito isso, eles tinham que dar um exemplo, a partir da leitura do texto, de um projeto que deveria conter os seguintes itens: Ser sociocultural, ter excelência e qual é a ocupação territorial do mesmo. Depois de terminado o tempo dado pela professora, os alunos apresentaram as suas propostas e a professora debateu com os alunos sobre os mesmos, finalizando a aula.

Após o intervalo, quem deu aula para os alunos foi o professor João Guerreiro, que começou a aula falando sobre os objetivos da aula, e sobre o que são as políticas culturais e quando as mesmas surgiram.

Fez também um histórico sobre a construção do projeto de politica de cultura no interior do estado, de 1930 a 1970, passando pela construção da identidade nacional, que é a construção do popular.

Fez ainda um histórico cultural, que passou pelos anos de Brasil Império, pela ditadura de 1964, relacionando a mesma com as políticas culturais da época, por 1988, com a nova constituição, e os novos projetos para a área cultural, até a criação da Lei Rouanet, que só foi regulamentada no governo de FHC, em 1995, e finalmente chegando as políticas culturais dos dias atuais, realizando debates sempre entre os tópicos.

Bom, esse foi mais um resumo das aulas do curso!

Até a quinta, com mais um post sobre as aulas do dia 16/06

Abraços e até!

Por Victor Baetas

Aula do dia 01/06 – Economia e Gestão Popular

Na aula de ontem, a Professora Pâmella Passos deu aula sobre a Economia e a Gestão Popular para os alunos do curso.

A aula foi iniciada com o documentário “Mulheres e o Mundo do Trabalho”, do Instituto PACS (Políticas Alternativas para o Cone Sul), que fala sobre as desigualdades do mercado de trabalho entre os homens e as mulheres, especialmente a divisão do trabalho doméstico, e mostra a vida de 4 mulheres que conheceram as visões mais justas e simples da economia e fizeram disso uma mudança em outras coisas de suas vidas.

Após o documentário, foram levantadas questões sobre o filme, entre elas, a relação entre o trabalho dos alunos na área de produção cultural e o trabalho doméstico no filme.

Foi falado sobre a Economia e a Gestão Popular, e a partir do tema, discutiu-se sobre o que é economia (a partir de uma definição de dicionário e o que é na realidade), além de falar sobre o que é a Gestão Popular em si.

Além disso, falou-se sobre os “pressupostos para uma economia dos setores populares”, onde entre esses pressupostos, encontrariam-se a “Gestão como um catalisador de forças dispersas, que dependendo do uso, pode potencializar a mudança social” e a “formação afirmando seu caráter estratégico na constituição de resistências.”

Após o intervalo, os alunos voltaram para a sala de aula e basicamente colocaram tudo o que foi visto no primeiro tempo em uma aula prática e começaram  a se organizar para o Festival Periferias em Cena, entretanto, sem a presença da Profª. Pâmella, para que eles pudessem vivenciar uma auto-gestão de um evento, e assim, aprendendo a lidar com as diferenças.

Esse foi mais um pequeno resumo das aula de ontem do Periferias em Cena!

Até o próximo post com o resumo da aula do dia 08/06

Abraços!

Por Victor Baetas